O COLETIVO ZINE É UMA AÇÃO CONJUNTA. A PROPOSTA É REUNIR DIVERSOS FANZINEIROS OU CRIADORES INDEPENDENTES E PRODUZIR UM TRABALHO COLETIVO. CADA PARTICIPANTE CONTRIBUI DA FORMA COMO PUDER, SEJA NA CRIAÇÃO, MONTAGEM, EDIÇÃO, ADMINISTRAÇÃO, DIVULGAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO. O IMPORTANTE É SOMAR ESFORÇOS. E ASSIM MULTIPLICAR A DIVULGAÇÃO DO TRABALHO DE CADA AUTOR E DIVIDIR O TRABALHO. SE DER CERTO,CONSEGUIREMOS CHEGAR A NOVOS LEITORES QUE JAMAIS CONHECERIAM NOSSO MATERIAL SE O PROMOVÊSSEMOS ISOLADAMENTE. E NA PIOR DAS HIPÓTESES, AO MENOS TEREMOS UMA DESCULPA PARA INSANAS FESTAS DE CONFRATERNIZAÇÃO E LANÇAMENTO DE ZINES. ENTÃO, MÃOS À OBRA. MISTURE-SE.

domingo, 10 de julho de 2011

ANNA ALCHUFFI

Aí vai mais uma escritora de Goiania dar sua contribuição para o Coletivo. Anna Alchuffi e sua arte:


Poesia Marginal

Irreverente de cu quente

Expressivo e esquecido

A morte é viver
A loucura,o que?

Palavrão: p-a-r-a-l-e-l-e-p-í-p-e-d-o 
     x    x
  x o x o t a
xo x o t  a
  x o x                             Só falei isso porque é bom ter buceta na boca!
     t
     a    

Seu cu não tem acento, mas o meu tem
Eu sento todos os dias na cadeira fria e faço poesia!

Comi sua mãe, sua tia
E agora a sua poesia!

Hoje eu não vou ler Camões
E menina chata, pare de ler Pessoa
Deixe eles para o Mar
E vá ser puta na Espanha.

Três filhos bem criados, fotos dos netos no criado!

   Mais uma poesia da série  ''Chula e Vulgar e o caraleo de asa'' FILHOS DO GOZO!
   
      Ela nunca havia sentido prazer sexual
      As vezes ela fingia
      E outras ela se sentia como uma boneca inflavel
      E inflamavel era sua raiva escondida entre o SIM ao marido
      No final, ele acabou sendo seu único amigo.

      Ele morreu,
      Ela viúva!

      Três filhos bem criados
      E fotos dos netos no criado
      A grandiosa TV de plasma que ganhou do filho médico
      Era sua única companhia

      Você precisa saber: Ela gostava do galã das sete
      E agora vai começar a novela
      Entre suas pernas, uma almofada velha
      Que ela começou a esfregar timidamente entre as pernas na sua velha parte
      Olhou o tal galã sem camisa
      Sentiu euforia
      Pela primeira vez: ELA GOZOU!

     Dois dias depois,o neto a encontra morta
     Com uma almoçada nas pernas!

4 comentários:

  1. Poesia marginal, profunda e direta. Muito bem vinda e junte-se à turma.

    ResponderExcluir
  2. Já postei uma vez e repito: Anna Alchuffi vai longe!

    ResponderExcluir
  3. tô te devendo, ana, mas daqui a pouco pago minha dívida poemal. parabéns!

    ResponderExcluir