O COLETIVO ZINE É UMA AÇÃO CONJUNTA. A PROPOSTA É REUNIR DIVERSOS FANZINEIROS OU CRIADORES INDEPENDENTES E PRODUZIR UM TRABALHO COLETIVO. CADA PARTICIPANTE CONTRIBUI DA FORMA COMO PUDER, SEJA NA CRIAÇÃO, MONTAGEM, EDIÇÃO, ADMINISTRAÇÃO, DIVULGAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO. O IMPORTANTE É SOMAR ESFORÇOS. E ASSIM MULTIPLICAR A DIVULGAÇÃO DO TRABALHO DE CADA AUTOR E DIVIDIR O TRABALHO. SE DER CERTO,CONSEGUIREMOS CHEGAR A NOVOS LEITORES QUE JAMAIS CONHECERIAM NOSSO MATERIAL SE O PROMOVÊSSEMOS ISOLADAMENTE. E NA PIOR DAS HIPÓTESES, AO MENOS TEREMOS UMA DESCULPA PARA INSANAS FESTAS DE CONFRATERNIZAÇÃO E LANÇAMENTO DE ZINES. ENTÃO, MÃOS À OBRA. MISTURE-SE.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Pensamentos de Rodoviária 
30/07/14            16:10         Alexandre Mendes

    Eu não sei o que estou escrevendo aqui. Só sei que escrevo porque não tem porra nenhuma melhor para fazer. Estou esperando dar a hora de ir embora e não tem nada para fazer. Por isso, estou escrevendo aqui. Se eu tivesse alguma coisa para fazer, eu estaria fazendo isso. Mas, como não há nada para fazer, eu escrevo sem parar nessa folha de papel. Ficar parado é estranho. Não tem pra onde olhar. Para qualquer lugar que olho, tem sempre alguém parado ou andando. As pessoas me olham e é nessa hora que eu tenho que mostrar que estou fazendo alguma coisa, mesmo que não seja porra nenhuma. 
Então escrevo, escrevo, escrevo, escrevo...
   Preciso enrolar escrevendo aqui, até a hora da saída. Por isso, escrevo, escrevo, escrevo...
   Já está quase na hora de ir embora. Mais um pouco e eu "vou-me já andando". Haushaushaush...   

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Fragmentos II

Por Fabio da Silva Barbosa
 .
Ele disse que não foi ele, enquanto a mão voava em sua cara.
.
Com muita arrogância, proferia a humildade.
.
Ia cantando com a pesada trouxa de roupas na cabeça. Depois de esfolar os dedos na pedra, voltava cantando com a trouxa mais pesada ainda.
.
Sem saber a finalidade, reproduziu as mentiras que lhe foram impostas. Questionar era muito perigoso.
.
Ligou o aparelho de lavagem cerebral e ficou babando verdades mentirosas.
.
O caminho de barro ficava ainda mais longo em dias de chuva.

Fragmentos

Por: Fabio da Silva Barbosa
 .
E a mulher louca ficava pelas esquinas gritando coisas que ninguém entendia. Seu discurso indecifrável chamava a atenção de quem passava.
O povo pobre continua a sofrer e a morrer, mas não existe mais a resignação de antes. E antes existia? Será mesmo?
 .
A prostituta pega o caralho triste entre as mãos e avisa:
- Desse jeito você não vai aproveitar o que pagou.
Ele contorcia o rosto em dor e tristeza:
- Você me perdoa?
- Acontece.
- Não é disso que estou falando.
- Do que é?
- Nada. Esquece.
- Você é estranho.
- Me desculpe.
- Não tem problema. Gosto de pessoas estranhas.
- Não é disso que eu tô falando. 
 .
O pássaro voava livre, até ser alvejado por um demente.
 .
Velhas lembranças e novas ideias se dissolvem em ácido.
 .
Ai que vontadezinha gostosa de dar um tiro na cabeça.
É só uma piada.
.
Todo mundo sabe, ao mesmo tempo que ninguém sabe nada.

lançados ao azar

Por Fabio da Silva Barbosa
 .
crianças e adolescentes completamente abandonados
miséria por toda parte
muitos semi-analfabetos ou analfabetos funcionais
nenhum futuro e um passado de terror  
revolta incompreensão solidão
só cobranças de quem nada faz
mas como cobrar de quem sofreu toda privação
não suporta mais abusos nunca viu afeto
aí se cria o futuro do país do planeta da humanidade da civilização
os civilizados já chegaram barbarizando os chamados selvagens
continuam a matança nos dias de hoje
é porrada de todo lado
criam seres destruídos
não há espaço para amor quando se afoga em tanta merda
tudo é uma desgraça
estão criando gerações de ódio cristalizado para depois o engravatado mandar prender bater matar
são os catedráticos da hipocrisia querendo determinar o que é pior para a maioria
nada faz sentido
assim não vai dar
quando pularem o muro nada vai parar 

Olhos tristonhos

Por Fabio da Silva Barbosa
.
conheci outras
outros olhos e olhares
cada um de sua maneira
a me interessar
 .
mas foram seus olhos tristonhos
toda raiva
toda ira
que conseguiram me pegar
 .
olhos tristonhos
em desequilíbrio a balança
olhos tristonhos
só há ódio e vingança
 .
suas lágrimas negras
como nanquim vai pintar
não pensa em existir
quando isso vai acabar
 .
já não sofro tanto mais
a dor vai endurecendo
o coração já pouco humano
a maldade desesperando
 .
olhos tristonhos
não escondem sua beleza
olhos tristonhos
desconhece a própria natureza
 .
olhos tristonhos
olhos em desespero
a vida sem sentido
a vida sem tempero

olhos furiosos

Por Fabio da Silva Barbosa
.
conheci uma menina
que apesar da pouca idade
não conseguia mais dormir
não tinha onde ir
 .
olhos furiosos
pra onde você vai
olhos furiosos
não entendem o que você faz
olhos furiosos
não me deixe sem você
olhos furiosos
o que podemos fazer
 .
a vida é o calvário
amargura e sofrimento
querem te prender
numa parede de cimento
 .
olhos furiosos
vão nos afastar
olhos furiosos
não deixe que te matem
olhos furiosos
por que tudo tem de ser assim
olhos furiosos
não vá acabar
 .
sei que vai sumir
mas nunca esquecerei
sempre você
sempre torcerei
 .
olhos furiosos
não pare de lutar
olhos furiosos
não vá se entregar
olhos furiosos
não vá me esquecer
olhos furiosos
não aguento mais sofrer 

matança imposta

Por Fabio da Silva Barbosa
.
cercados pela desgraça
perseguidos pelo inferno
marginalizados pelo sistema
mantidos na miséria
 .
odiando a si próprio
não conseguindo suportar
levando só porrada
não consegue caminhar
 .
é a grande maioria
vendo o muro exclusor
cercando e matando
só a dor só há dor

Medo

Por Fabio da Silva Barbosa
.
todos os dias bombas nucleares explodem sobre suas cabeças
o genocídio é contínuo
barracos de caixote
fome e repressão
surra de telha
surra de pau
medo da vida
vida mundo cão

Mortes, injustiças e inferno na Terra

Por Fabio da Silva Barbosa
É camelô sendo morto, famílias sendo escorraçadas de suas moradias, o sistema sempre favorecendo a quem tem mais do que precisa para viver… E o cara que se aborrece é perseguido, preso, torturado física, moralmente e mentalmente, lançado em calabouços tristes e infectos.
Mas eles dizem: Você pode votar. Estamos em uma democracia. Está tudo melhorando. … Eu pergunto então: Melhorando para quem? Que democracia é essa? Votar em que ou quem? Para onde estamos caminhando? Até onde isso tudo vai? Acreditar em que ou quem? …
E o trabalho de cegueira coletiva continua. O trabalho de manutenção das coisas como estão persiste cada vez mais elaborado. Mas já não é possível tapar o Sol com a peneira. Não se pode mais viver acomodado, olhado para o próprio umbigo e fingindo não ter nada com isso. Os respingos da merda estão por toda parte e não há mais como ficar limpo. Todos somos partes, responsáveis (querendo ou não) e ocupamos nosso espaço no vácuo.
Embora alguns ainda se esforcem para manter posturas insensíveis e indiferentes, já não é mais possível. A meritocracia é uma farsa, escolher quem vai tomar as decisões que deveriam ser nossas não é o suficiente, ficar submisso a quem tem a pretensão de saber o que é melhor para a gente não é, no mínimo, digno.
“Já fazia muito tempo que assim não dá mais pra ficar”*
*Rubem Zachis   

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

GAIVOTAS QUE VOAM EM IMPRESSIONANTE CONVERGÊNCIA COM A CORRENTE CIRCUM-PACÍFICO-ÍNDICO-ATLÂNTICA




(Por Wagner Nyhyw) 


Dois dois na mão. Mesmo assim blefo:
Aposto tudo.
Aceito.
Ele mostra a mão: dois reis.
Viro primeiramente três cartas do monte sobre a mesa. Rei,rei,dois.
Há, quadra de reis. Essa já era, meu amigo.
Viro mais duas: dois, dois.
Dois, dois, dois, dois, dois. Minha quina ganha da sua quadra.
Droga, que azar. Peraí... quina? Mas que porra é essa? Ei, tem dois dois de copas nesse baralho. Que porra é essa, porra?
Sei lá, não conferiu o baralho não?
O baralho é seu, caralho. Tá todo avacalhado.
Cê tinha que ter contado as cartas.
Eu? Você é que tinha que trazer um baralho acertado. Aê, vamo ter que anular as partidas de hoje.
O quê? Tudo que eu ganhei docês? De jeito nenhum.
Claro que é, baralho com carta repetida, vai saber se tá faltando outras, sem chance.
Ganhei na boa, vem com bucetisse não. Pode ir passando a grana.
Porra, vamo parar com essa barulheira. Assim ninguém dorme.

Valva chega de camisola na sala com o pequeno no colo.
Valva tem essa mania de ficar na frente dos meus amigos com essas camisolas semi-transparentes. Já falei com ela, que merda. Porra de mulher que não me respeita.
Zulmiro cresce o olho, filho da puta.
Boa noite, dona Valva.

O pequeno só observa tudo, com os olhos esbugalhados. Esse é cabra macho. Vai ser durão quando crescer. Nunca chora. Quando ele nasceu, já abriu os olhos, encarou a luz, sem frescura, quis nem saber. Desde o parto, encarou o mundo de olhos abertos e sem chorar. Ê orgulho que eu tenho desse porrinha.

Cês ficam nessa gritaria, olha aí. O Bonifácio não dorme.
Tá bom, saco. A gente vai dar uma volta na rua.
Vê se não arruma confusão. Tenho mais dinheiro pra fiança não.
Tá. Daqui a pouco eu volto. Bora, moçada.
Comprar umas pedra?
Demorou.
Antes vamo lá no Trúcio. Tô a fim de beber uma grapa.
Conheço um cara que tá vendendo um bagulho novo.
Bagulho novo? Por que não disse antes, porra?
Tô falando agora, carai!
Como é esse bagulho?
Sei não, acho que um novo tipo de erva.
Bora lá conferir.
E o Trúcio? Não vamos passar lá?
Foda-se o Trúcio. Quero ver esse bagulho.
Vamo indo então, esse chegado mora no São Judas.
Porra, longe pra carai.
Vamo ter que pegar o vinte e sete cinquenta e cinco.
Mofar no ponto, a essa hora.
E se a gente pegar o carro do seu vizinho emprestado?
De novo? Porra, eu disse pra ele que não íamos mais fazer isso. Ele não vai mais perdoar se descobrir.

Tenho um vizinho, o ... esqueci o nome, que não tem garagem, então deixa o carro na rua mesmo. Como ele nunca sai à noite, de vez em quando a gente pega então o carro dele emprestado. Na última vez ele percebeu e chamou a polícia. Deu uma trabalheira da porra pra explicar, mas ele nos perdoou. Achou que tinha sido só naquela vez. Eu não queria correr risco de encrenca com ele. Mas lembro que é por uma boa causa.
Tá bom, manda ver lá, Palomo.
Palomo é mecânico, trabalhou anos em oficinas, fábricas e o caralho antes de virar vagabundo, ou como eu prefiro dizer, livre. Faz ligação direta em um minuto, além de conseguir abrir porta de carro com canivete sem acionar o alarme. Ele diz que não funciona com todos os carros, mas o desse meu vizinho dá certo. Descemos a rua, o carango tá lá, como de costume, é um gol, eu acho, ou corsa ou Passat sei lá, pra mim carro é tudo a mesma merda. De cor cinza e meio fudido, vários amassados, e só dois feitos pela gente. Esse meu vizinho não é muito cuidadoso, ainda bem, se a gente não fizer merda muito grande ele nem percebe. Num instante Palomo faz o serviço e tamos os quatro lá a caminho de São Judas.

Alguém lembrou de trazer cerveja?
Não.
Merda.

Pra passar o tempo eu e Mafaldo ficamos treinando golpes de judô no banco traseiro. O desafio é quem conseguirá dar um wazari no outro naquele espaço apertado. Lionaidas fica como juiz. Logo de cara consigo erguê-lo e tento girá-lo sobre meu ombro esquerdo, mas as pernas dele acabam batendo na cabeça de Palomo, que perde a direção e cai encima de Lionaidas no banco do carona.
Mas que merda...?
O carro derrapa, cruza a rua e para cruzado no meio fio. Ainda bem que àquela hora não havia nenhum outro carro passando. Por isso digo: se forem dirigir, dirijam apenas à noite.
Logo nos recompomos e a viagem continua. De repente, enquanto Mafaldo ainda estava distraído, tento um golpe rápido, aplico um soto-makikomi  e consigo girá-lo, dessa vez sobre meu ombro direito para não correr o risco de acertar o motorista. Empurro meu corpo junto ao banco do carona para ganhar mais espaço, mas Mafaldo tem pernas grandes e acaba batendo o pé no vidro da porta, interrompendo o movimento. A marca preta da sola do tênis fica fortemente marcada no vidro, como uma pegada de alguém que caminhou ali.
Porra, Mafaldo, pisou na bosta? Olha que sujão no vidro. Limpa aí.
Limpar com o que? Só se for com a sua cara.
O desafio passa então a ser quem consegue esfregar a cara do outro naquela pegada. Em certo momento, consegui prensar o corpo dele junto ao vidro e colocar o peso do meu encima e estava quase botando a cara dele lá, mas quando freamos pra passar por uma lombada, conseguiu me jogar pra trás. Meu cotovelo acaba acertando em cheio a cabeça do Palomo, de novo. Dessa vez o impacto não é suficiente pra desgovernar o carro, mesmo assim ele freia totalmente.
Mas que caralho! Eu não dirijo mais. Vão tomar no cu vocês. Parecem crianças.
Tá bom, deixa que eu dirijo.
Todos caímos na gargalhada. Palomo é o único que sabe dirigir.

Sempre fico pensando se não passo de uma criança que não quer crescer. Quando casei e tive filhos, minha mãe achou que eu ia endireitar. Endireitar? Quer dizer, virar um capacho?, eu perguntava a ela. Não. Eu não. Serei sempre o esquerdo, o errado, o torto, aquele que as pessoas mostram aos filhos e dizem “é isso que você quer ser quando crescer? Não? Então estude e trabalhe muito”.
Palomo ainda fica reclamando alguns minutos, mas então religa o carro e seguimos viagem.

São Judas é um bairro grande. Mesmo depois de chegarmos nele, ainda levamos quinze minutos pra chegar na casa do sujeito.
Casa de muros grandes e um grande portão. Lionaidas toca a campainha. Como ninguém atende nos próximos segundos, começa a esmurrar e chutar o portão.
Será que não tem ninguém?
Gritamos e urramos como se estivéssemos morrendo. Finalmente, o portão se abre. Um careca de óculos, piercings na cara e roupas caseiras rasgadas atende puto:
Que porra é essa, Lionaidas? Que bagunça é essa no meu portão? Sabe que horas são?
Alguém aí sabe as horas?
Ninguém sabia. Nenhum de nós usava relógio. Nem despertador. Nunca.
Porra, cara, trouxe um monte de cliente pra você, todo mundo querendo aquela sua parada.
Tá bom, tudo bem, entra aí.
Deram sorte, ainda tenho algumas.

Entramos em uma sala bem espaçosa, com um conjunto bonitão de sofás, três partes, um de três lugares, outros dois de dois lugares. Sempre quis ter um sofá macio desses.
Lionaidas e o careca adentram o corredor enquanto nós três sentamos.
Podíamos roubar esses sofás, hein? A Valva ia ficar feliz.
Para, cara, o sujeito é chegado do Lio.
É, tem razão, ia pegar mal.

Junto à parede uma estante gigantesca, lotada de livros. Um dia quero ter uma estante assim também, cheia de livros. Tento ler os títulos nas lombadas, mas está longe, e não vou levantar desse sofá tão cedo. A maioria parecem livros bem antigos. Mafaldo e Palomo conversam sobre qualquer merda que não presto atenção. Gosto de livros velhos. Amanhã vou naquele sebo da Rua dos Crentes e tento roubar um.

Logo eles voltam, o careca carregando uma tigela e Lionaidas com um sorrisão abobalhado.
Vocês vão pirar com isso aqui.
Coloca a tigela sobre a mesinha central, todos nos debruçamos sobre ela. Está cheia de pequenas bolotas. Parecem frutas, vermelhas, como pequenas maças, mas com tamanho e consistência de morangos.
Viemos aqui pra isso? Pra comer amoras?
Calma. Come um que vocês vão ver. Nunca experimentaram nada igual. Mas prestem atenção, comam apenas um por enquanto. Isso é mais forte do que parece e...
Pego logo cinco e engulo quase sem mastigar.
Mas que porra, eu falei só um, caralho.

Acho que apaguei imediatamente. Estou deitado na grama. Que delícia a grama sob meu corpo. Rolo sobre ela. Uma sensação de alívio, de libertação. Uma brisa suave. Um sol ameno. Nem frio nem calor. Grama e céu se fundem no infinito. Contemplo uma imensidão de paz e perfeição. Levanto e começo a correr nu pelo campo. Se eu fosse poeta, declamaria um monte de palavras bonitas. Ouço uma doce voz a me chamar. Ou seria o cantarolar da brisa? Porra, não sou poeta, mas fui tomado por estranha inspiração. É uma mulher. Uma linda mulher que se aproxima e assovia meu nome. Ela também está nua e corre para mim estendendo a mão. Pega minha mão e corremos juntos pelo campo. Ela não tem asas mas sei que é um anjo. Nunca acreditei em paraíso ou anjos, mas agora eu sei, eu vejo. Não pisamos na grama e flores, mas flutuamos sobre elas. Agora tudo faz sentido. Percebo que toda a minha vida errante teve um sentido. Este momento.
Minha visão embaça, um vulto disforme, alguém está sobre mim. Um careca, os outros parecem Lionaidas e Palomo e... estão me sacudindo, gritando. O careca me dá um tapa na cara.
Que isso, fidaputa?
Ele despertou. Mas...
Escuro. Silêncio e vazio. Abro os olhos e estou voando. Onde está ela? Talvez em toda parte. Estou imerso em pleno céu, um misto azul, cinzento, vermelho, alaranjado, como se todos os tempos e estações estivessem eclodindo ao mesmo tempo, uma fusão entre alvorecer, crepúsculo, dia, noite, nuvens, sol, verão, inverno. Estou voando, à minha frente um grupo de pássaros, acho que são gaivotas, fluindo como uma seta em uma só direção.  Acho que estão indo pro sul. Não sei porque acho isso. Sul de onde? Sul de todos os lugares. Pássaros são espertos, sabem pra onde ir. Ao contrário dos humanos. Estou seguindo as gaivotas rumo ao sul. Todas alinhadas, formando um semi-círculo. As nuvens formam construções lindas, voamos na direção delas, que se abrem e nos deixam passar, como se fossem os portões da salvação.
Ela está de volta, voando como uma mulher-gaivota. Desenvolta, dá cambalhotas no ar. Se atira para baixo como um raio, depois dispara para cima. Seu voo é uma dança, dá saltos, mergulhos, rodopios. Está em todo lugar, controla o espaço como se houvesse domado o céu. Sigo seu exemplo, solto meu corpo. Furo as nuvens, corto o azul. Tenho a imensidão ao meu dispor, estou ao dispor da imensidão. Ela se aproxima. Estende a mão, oferecendo um pequeno objeto. Parece uma fruta, vermelha e saborosa. Aceito sem hesitar e a jogo em minha boca.
Sinto um gosto estranho, algo que vai do extremo doce ao extremo azedo sem parar.
Está tudo meio escuro, alguém do meu lado, acho que está de jaleco, estou em um pequeno ambiente, fechado, sacolejando. Quero voltar.
Novamente o céu, mas não vejo mais a garota, e as gaivotas... estão tão longe... apenas pontos no sol...
Estou caindo... Tudo passa rápido demais... Não consigo voar...

Um rosto. Muito feio.
Mafaldo?
Acordou, hein? Porra, achei que cê ia morrer.
Onde eu tou? É sua casa?
Que casa, tá no hospital. Sua mulher foi almoçar, deve tá voltando. Você... mal... corremos pra... está aqui... todos... preocupados...
Blá blá blábláblá. Não escuto, não presto atenção.
Cara, eu estava num lugar incrível.
Eu sei, mas...
Blá blabláblá. Esse lugar é muito feio. Não quero ficar aqui.
Tem mais daquela fruta?
Claro que tenho, não ando mais sem ela.
Então dá uma aí, antes da Valva voltar.
Tá maluco? Quase morreu comendo isso.
Dá logo, caralho!!!
Vou te dar só um pedaço.

Dessa vez não engulo direto. mastigo bem. Saboreio. Só um pedaço é o suficiente.
Ahhh.
Planando sobre um mar infinito. Ao longe, gaivotas se fundem com o poente, parece um quadro, irretocável. Preciso acelerar e me juntar a elas de novo. Mas percebo que não preciso fazer nenhum esforço. Apenas solto o corpo e a brisa me carrega de encontro à turba. Todos alinhados. Perfeita sintonia.
Ela reaparece, novamente planando ao meu lado. Perfeita.
Algo aparece em sua mão. Uma pequena fruta, vermelha. Ela a mordisca suavemente e me oferece com um sorriso irresistível.
Mas eu recuso. Não quero mais sair de mim. Quero manter a lucidez e viver o real.
Continuo firme voando para o sul.


terça-feira, 1 de julho de 2014

A ARTE DE DIEGO EL KHOURI


Título: The music of Death
Técnica: óleo s/ tela



Título: Fragmentos 
Técnica: mista


Título: Instante no tempo
Técnica: óleo s/ canson


Título: No encontro do tempo
Técnica: óleos/  canson



Título: Praça universitária
Técnica: tinta a óleo s/  canson



Título: Sem Frescura
Técnica: tinta a óleo sobre  canson



Título: Sem Frescura
Técnica: tinta a óleo sobre papel canson


Título: A eternidade não merece ser contestada 
Técnica: tinta a óleo sobre papel canson


Título: Waiting For The Sun
Técnica: tinta a óleo sobre papel canson


Título:Sensações
Técnica: Óleo s/ canson



Título: Analepsia do tempo
Técnica: óleo s/ tela



Título: Finitude
Técnica: Óleo s/ tela




Título: Perto do Fim
Técnica: mista




Título: Tears
Técnica: mista